Revista Brasileira de Gestao Ambiental e Sustentabilidade (ISSN 2359-1412)
Bookmark this page

Home > Edições Anteriores > v. 6, n. 13 (2019) > Almeida

 

Vol. 6, No 13, p. 349-364 - 31 ago. 2019

 

Avaliação do custo para recuperar uma área degradada: estudo de caso em uma área de preservação permanente do Rio Bisnau (Formosa, Estado de Goiás, Brasil).



Alexandre Nascimento de Almeida , Cindy Lauper de Lara e Humberto Angelo

Resumo
Próximo ao Município de Formosa (Estado de Goiśs, Brasil) encontra-se a Região do Rio Bisnau que possui um grande potencial para o desenvolvimento de atividades de turismo ecológico. Entretanto, trata-se de uma região pautada por atividades agropecuárias e com áreas degradadas. Diante disto, o Ministério Público do Estado de Goiás condicionou a legalização do turismo em propriedades privadas a apresentação de um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD). A falta de referência para realizar esses PRADs tem tornado demorado e custoso a elaboração do documento, o que prejudica o meio ambiente e inibe investimentos no turismo regional. Assim, o objetivo deste trabalho é apresentar e estimar o custo de um PRAD para uma Área de Preservação Permanente (APP) ao longo do Rio Bisnau. Todas as atividades do PRAD, divididas nas etapas de implantação, manutenção e monitoramento, foram previstas para ocorrer em um período de quatro anos. O custo presente total do PRAD foi de R$ 56.565,20 para recuperar uma área de 0,82 ha, o que se aproxima de R$ 70 mil/ha. Os maiores custos do projeto se concentraram na fase de implantação, destacando os custos com aquisição de mudas e supervisão técnica.


Palavras-chave
Gestão ambiental; Análise financeira de projetos; Economia florestal.

Abstract
Cost assessment to recover a degraded area: Case study in a Bisnau River permanent preservation area (Formosa, Goiás State, Brazil). Near the Municipality of Formosa (Goiás State, Brazil) lies the Region of the Bisnau River that has great potential for the development of ecological tourism activities. However, it is a region taken by agricultural activities and degraded areas. In view of this the Public Ministry of the Goiás State conditioned the legalization of tourism in private properties to present a Plan for the Recovery of Degraded Areas (PRDA). The lack of reference to carry out these PRDA has made the preparation of these documents time-consuming and costly, which damages the environment and inhibits investments in regional tourism. Thus, the objective of this work is to present and estimate the cost of a PRDA for a permanent preservation area (PPA) along the Bisnau River. All PRDA activities divided into the implementation, maintenance and monitoring stages, were scheduled to take place over a period of four years. The total present cost of the PRDA was R$ 56,565.20 to recover an area of 0.82 hectares which is close to R$ 70 thousand/ha. The major costs of the project were concentrated in the implementation phase, highlighting the costs with acquisition of seedlings and technical supervision.


Keywords
Environmental management; Financial analysis of projects; Forest economics.

DOI
10.21438/rbgas.061307

Texto completo
PDF

References
Almada, E.; Rodrigues, R.; Souza, S. B. Proposta de recuperação de uma área de preservação permanente no bairro Jardins do Lago em Anápolis - Goiás. Revista Magistro, v. 18, n. 9, p. 119-154, 2016.

Almeida, A. N.; Rodrigues, N. G.; Angelo, H. Recuperação ambiental da cascalheira do Parque Recreativo Sucupira (Planaltina, Distrito Federal, Brasil). Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 4, n. 7, p. 203-217, 2017. https://doi.org/10.21438/rbgas.040720

Borges, E. A.; Gontijo, R. C.; Barcellos, V. C. A. Plano de recuperação de área degradada (PRAD): trecho do Córrego Vaca Brava - Goiânia/GO. Goiânia: Faculdade de Tecnologia Senac Goiás, 2011. (Trabalho de conclusão de curso de graduação).

Brasil. Instrução Normativa IBAMA no 4, de 13 de abril de 2011a. Estabelece procedimentos para elaboração de Projeto de Recuperação de Área Degradada - PRAD ou Área Alterada, para fins de cumprimento da legislação ambiental, bem como dos Termos de Referência constantes dos Anexos I e II desta Instrução Normativa. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&legislacao=118064. Acesso em: 04 jan. 2019.

Brasil. Lei no 12.382, de 25 de fevereiro de 2011b. Dispõe sobre o valor do salário mínimo em 2011 e a sua política de valorização de longo prazo; disciplina a representação fiscal para fins penais nos casos em que houve parcelamento do crédito tributário; altera a Lei no 9.430, de 27 de dezembro de 1996; e revoga a Lei no 12.255, de 15 de junho de 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12382.htm>. Acesso em: 04 jan. 2019.

Brasil. Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651compilado.htm>. Acesso em: 04 jan. 2019.

Cunha, N. R. S.; Lima, J. E.; Gomes, M. F. M.; Braga, M. J. A intensidade da exploração agropecuária como indicador da degradação ambiental na Região dos Cerrados, Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 46, n. 2, p. 291-323, 2008. https://doi.org/10.1590/S0103-20032008000200002

EMBRAGEA - Empresa Brasileira de Gestão Ambiental Junior. Plano de recuperação de áreas degradadas: Fazenda Bisnau. Planaltina: EMBRAGEA, 2016.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Agência de Informação da Embrapa. 2000. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_67_911200585234.html>. Acesso em: 20 ago. 2016.

IPEADATA. Banco de dados do IPEA. Disponível em: <http://www.ipeadata.gov.br/>. Acesso em: 04 jan. 2019.

Martins, E. S.; Reatto, A.; Carvalho Junior, O. A.; Guimarães, R. F. Evolução geomorfológica do Distrito Federal. Brasília: EMBRAPA Cerrados, 2004. Disponível em: <http://www.cpac.embrapa.br/download/342/t>. Acesso em: 20 ago. 2016.

Martins, S. V. Recuperação de áreas degradadas. Viçosa: Aprenda Fácil, 2009.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. Planilha de custos para análise de PRAD (valores médios). 2011. Disponível em: <https://supremoambiental.com.br/wp-content/uploads/2018/07/instrução-normativa-n.-004-ibama-2011-termo-de-referência-de-prad-planilha-de-custos.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2016.

Oliveira, J. D. S. Plano de recuperação de área degradada (PRAD) de um trecho das margens do Córrego do Palmito - Goiânia-GO. Goiânia: Faculdade de Tecnologia Senac Goiás, 2012. (Trabalho de conclusão de curso de graduação).

Pedralli, G. Florestas secas sobre afloramento de calcário em Minas Gerais: florística e fisionomias. Revista BIOS, Cadernos do Departamento de Ciências Biológicas da PUC Minas, v. 5, p. 81-88, 1997.

Ribeiro, J. F.; Walter, B. M. T. Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: Sano, S. M.; Almeida, S. P. Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998. p. 89-166.

Rodrigues, R. R.; Gandolfi, S. Recomposição de florestas nativas: princípios gerais e subsídios para uma definição metodológica. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, v. 2, n. 1, p. 4-15, 1996. https://doi.org/10.14295/rbho.v2i1.114


 

ISSN 2359-1412