Revista Brasileira de Gestao Ambiental e Sustentabilidade (ISSN 2359-1412)
Bookmark this page

Home > Edições Anteriores > v. 7, n. 17 (2020) > Paz

 

Vol. 7, No 17, p. 1283-1334 - 31 dez. 2020

 

Unidades de conservação na região semiãrida do Brasil



Ronilson José da Paz , Marilia Carolina Pereira da Paz , João Alberto Lins Filho e Reinaldo Farias Paiva de Lucena

Resumo
As unidades de conservação são espaços territoriais legalmente protegidos por ato governamental consideradas como a principal ferramenta para a conservação da biodiversidade in situ. Com o advento da Lei no 9.985/2000, que criou o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), foi inaugurada a política de gestão territorial, com o intuito de melhor conservar a biodiversidade, principalmente pela proteção dos biomas brasileiros mais susceptíveis à degradação ambiental, como é a Caatinga, característica da região semiárida. Portanto, este trabalho tem como objetivo traçar um panorama atual das unidades de conservação criadas na Região do Semiárido do Brasil, através de pesquisa bibliográfica e da legislação vigente. Ao final da pesquisa, foi observado que foram criadas 252 unidades de conservação em todos os estados que abrangem a Região Semiária do Brasil, das quais 72 são de proteção integral e 180 de uso sustentável, sendo as reservas particulares do patrimônio natural (RPPN) foram as mais criadas (119), no entanto protegem apenas 0,06% do semiárido. Tendo em vista a fragilidade do Bioma Caatinga, há a necessidade premente de aumentar o alcance das políticas públicas para proteger seus ecossistemas.


Palavras-chave
Proteção da Natureza; Unidades de conservação; Semiárido; Caatinga.

Abstract
Conservation units in the semiarid region of Brazil. Conservation units are territorial spaces legally protected by a government act considered as the main tool for the conservation of biodiversity in situ. With the advent of Law 9,985/2000, which created the National System of Conservation Units (SNUC), the territorial management policy was inaugurated, with the aim of better conserving biodiversity, mainly by protecting the Brazilian biomes most susceptible to degradation environmental, as is the Caatinga, characteristic of the semiarid region. Therefore, this work aims to outline a current panorama of the conservation units created in the Semi-Arid Region of Brazil, through bibliographic research and current legislation. At the end of the research, it was observed that 252 conservation units were created in all states that comprise the Seminary Region of Brazil, of which 72 are fully protected and 180 for sustainable use, with private reserves of natural heritage (RPPN) being the most created (119), however, they protect only 0.06% of the semiarid. In view of the fragility of the Caatinga Biome, there is an urgent need to increase the reach of public policies to protect their ecosystems.


Keywords
Nature protection; Conservation units; Semiarid; Caatinga.

DOI
10.21438/rbgas(2020)071718

Texto completo
PDF

Referências
Ab'Saber, N. A. O domínio morfoclimático semi-árido das caatingas brasileiras. Geomorfologia, n. 43, p. 1-39, 1974.

Alvares, C. A.; Stape, J. L.; Sentelhas, P. C.; Gonçalves, J. L. M.; Sparovek, G. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2014. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507

Alves, R. R. N.; Gonçalves, M. B. R.; Vieira, W. L. S. Caça, uso e conservação de vertebrados no semiárido brasileiro. Tropical Conservation Science, v. 5, n. 3, p. 394-416, 2012. https://doi.org/10.1177/194008291200500312

Andrade-Lima, D. The Caatingas dominium. Revista Brasileira de Botanica, v. 4, n. 2, p. 149-163, 1981.

Bernardes, N. As caatingas. Estudos Avançados, v. 13, n. 36, p. 69-78, 1999. https://doi.org/10.1590/S0103-40141999000200004

Braga, A. S.; Maciel, M. A. O sistema nacional de unidades de conservação e o desafio de sua implamentação. In: Thedoro, S. H. Os 30 anos da Política Nacional do Meio Ambiente: conquistas e perspectivas. Rio de Janeiro: Garamond, 2011. p. 139-165.

Brasil. Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. 2019. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs>. Acesso em: 11 fev. 2020.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 16 jan. 2020.

Brasil. Decreto no 8.843, de 26 de julho de 1911. Crêa a reserva florestal no Territorio do Acre. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1910-1929/D08843.html>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 23.793, de 23 de janeiro de 1934. Approva o codigo florestal que com este baixa. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D23793.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 47.570, de 31 de dezembro de 1959. Cria o Parque Nacional de Araguaia, integrante da Seção de Parques e Florestas Nacionais de Serviço Florestal do Ministério da Agricultura. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D47570.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 50.665, de 30 de maio de 1961. Cria o Parque Nacional de Sete Quedas e dá outras providências. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-50665-30-maio-1961-390248-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Disponível em: <http://legis.senado.leg.br/norma/546624>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Lei no 5.197, de 3 de janeiro de 1967. Dispõe sôbre a proteção à fauna e dá outras providências. Disponível em: <https://legis.senado.leg.br/norma/547059/publicacao/15775249>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 73.030, de 30 de outubro de 1973. Cria, no âmbito do Ministério do Interior, a Secretaria Especial do Meio Ambiente - SEMA, e da outras providências. Disponível em: <http://legis.senado.leg.br/norma/495670/publicacao/15670954>. Acesso em: 11 ago. 2019.

Brasil. Lei no 6.902, de 27 de abril de 1981. Dispõe sobre a criação de Estações Ecológicas, áreas de Proteção Ambiental e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6902.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 86.071, de 04 de junho de 1981. Extingue o Parque Nacional de Sete Quedas, criado pelo Decreto no 50.665, de 30 de maio de 1961, e dá outras providências. Disponível em: <http://legis.senado.leg.br/norma/508711/publicacao/15833033>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm>. Acesso em: 11 out. 2019.

Brasil. Decreto no 89.336, de 31 de janeiro de 1984. Dispõe sobre as Reservas Econômicas e Áreas de Relevante Interesse Ecológico, e dá outras providencias. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/D89336.htm. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Resolução CONAMA no 005, de 5 de junho de 1984. Determinar que a sua Secretaria Executiva prepare as respectivas minutas de decreto e as encaminhe ao Poder Executivo, através do Ministério do Interior, visando à implantação das seguintes Áreas de Relevante Interesse Ecológico. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=5>. Acesso em: 13 nov. 2019.

Brasil. Resolução CONAMA no 17, de 18 de dezembro de 1984. Dispõe sobre a execução de procedimentos administrativos visando à implantação das Áreas de Relevante Interesse Ecológico - Vale dos Dinossauros e Manguezais da Foz de Rio Mamanguape/PB. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=17>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 91.145, de 15 de março de 1985. Cria o Ministério do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, dispõe sobre sua estrutura, transferindo-lhe os órgãos que menciona, e dá outras providências. Disponível em: <http://legis.senado.leg.br/norma/513785/publicacao/15673245>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Resolução CONAMA no 11, de 3 de dezembro de 1987. Dispõe sobre a declaração, como unidades de conservação, de várias categorias de sítios ecológicos de relevância cultural. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=62>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Lei no 7.804, de 18 de julho de 1989. Altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, a Lei no 7.735, de 22 de fevereiro de 1989, a Lei no 6.803, de 2 de julho de 1980, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7804.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto Legislativo no 2, de 1994. Aprova o texto da Convenção sobre Diversidade Biológica, assinada durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada na Cidade do Rio de Janeiro, no período de 5 a 14 de junho de 1992. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decleg/1994/decretolegislativo-2-3-fevereiro-1994-358280-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 23 out. 2020.

Brasil. Decreto no 2.519, de 16 de março de 1998. Promulga a Convenção sobre Diversidade Biológica, assinada no Rio de Janeiro, em 05 de junho de 1992. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2519.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9605.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 3.179, de 21 de setembro de 1999. Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3179.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 4.340, de 22 de agosto de 2002. Regulamenta artigos da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4340.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 5.092, de 21 de maio de 2004. Define regras para identificação de áreas prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade, no âmbito das atribuições do Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5092.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Medida Provisória no 366, de 26 de abril de 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - Instituto Chico Mendes, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Mpv/366.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Lei no 11.516, de 28 de agosto de 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - Instituto Chico Mendes; altera as Leis nos 7.735, de 22 de fevereiro de 1989, 11.284, de 2 de março de 2006, 9.985, de 18 de julho de 2000, 10.410, de 11 de janeiro de 2002, 11.156, de 29 de julho de 2005, 11.357, de 19 de outubro de 2006, e 7.957, de 20 de dezembro de 1989; revoga dispositivos da Lei no 8.028, de 12 de abril de 1990, e da Medida Provisória no 2.216-37, de 31 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11516.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 6.514, de 22 de julho de 2008. Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6514.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Decreto no 6.686, de 10 de dezembro de 2008. Altera e acresce dispositivos ao Decreto no 6.514, de 22 de julho de 2008, que dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente e estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6686.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Resolução CONAMA no 428, de 17 de dezembro de 2010. Dispõe, no âmbito do licenciamento ambiental sobre a autorização do órgão responsável pela administração da Unidade de Conservação (UC), de que trata o § 3o do artigo 36 da Lei no 9.985 de 18 de julho de 2000, bem como sobre a ciência do órgão responsável pela administração da UC no caso de licenciamento ambiental de empreendimentos não sujeitos a EIA-RIMA e dá outras providências. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=641>. Acesso em: 17 jan. 2020.

Brasil. Resolução no 473, de 11 de dezembro de 2015. Prorroga os prazos previstos no § 2o do art. 1o e inciso III do art. 5o da Resolução no 428, de 17 de dezembro de 2010, que dispõe no âmbito do licenciamento ambiental sobre a autorização do órgão responsável pela administração da Unidade de Conservação (UC), de que trata o § 3o do artigo 36 da Lei no 9.985 de 18 de julho de 2000, bem como sobre a ciência do órgão responsável pela administração da UC no caso de licenciamento ambiental de empreendimentos não sujeitos a EIA-RIMA e dá outras providências. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=719>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Resolução no 107/2017. Estabelece critérios técnicos e científicos para delimitação do Semiárido Brasileiro e procedimentos para revisão de sua abrangência. Disponível em: <http://sudene.gov.br/images/2017/arquivos/Resolucao-107-2017.pdf>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasil. Resolução SUDENE/CONDEL no 115, de 23 de novembro de 2017. Disponível em: <http://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-n-115-de-23-de-novembro-de-2017-739564>. Acesso em: 23 out. 2019.

Brasileiro, D. P.; Madruga Filho, V. J. P.; Paz, R. J.; Lucena, R. F. P. Plantas e animais medicinais: análise da legislação brasileira. In: Lucena, R. F. P.; Lucena, C. M.; Carvalho, T. K. N.; Ferreira, E. C. (Orgs.). Plantas e animais medicinais da Paraíba: visões da Etnobiologia e Etnoecologia. Cabedelo: Editora do IESP, 2018. p. 254-271. Disponível em: <https://www.iesp.edu.br/sistema/uploads/arquivos/publicacoes/plantas-e-animais-medicinais-da-paraiba-visoes-da-etnobiologia-e-etnoecologia.pdf#page=256>. Acesso em: 21 jan. 2020.

Brundtland, G. H. Report of the World Commission on Environment and Development: Our common future. Washington: UN, 1987. Disponível em: <https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/5987our-common-future.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2020.

Carson, R. Primavera silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010.

Corrêa, R. S.; Abreu, G. R. A. O dano a unidades de conservação nos termos do artigo 40 da Lei de Crimes Ambientais. Revista Brasileira de Criminalista, v. 3, n. 2, p. 11-16, 2014. https://doi.org/10.15260/rbc.v3i2.75

Coutinho, P. C.; Soares, Z. A.; Ferreira, E. C.; Souza, D. V.; Oliveira, R. S.; Lucena, R. F. P. Knowledge and use of medicinal plants in the Semiarid Region of Brazil. Brazilian Journal of Biological Sciences, v. 2, n. 3, p. 51-74, 2015.

Falcão, F. C.; Tavares, V. C. Bats of RPPN Pé de Serra, a reserve of Caatinga in the Northeastern Brazil. Revista Nordestina de Biologia, v. 28 n. 1, 2020. https://doi.org/10.22478/ufpb.2236-1480.2019v27n1.46053

Farena, D. V. M. Aspectos polêmicos acerca da criação e implantação de unidades de conservação. Boletim Científico ESMPU, v. 6, n. 24/25, p. 123-150, 2007.

Farias, T. Reserva Particular do Patrimônio Natural: uma análise de seu regime jurídico. In: Paz, R. J.; Luna, R. G.; Farias, T. (Orgs.). Gestão ambiental: o caminho para a sustentabilidade. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2010. p. 167-180.

Ferreira, M. B. M.; Salles, A. O. T. Política ambiental brasileira: análise histórico-constitucionalista das principais abordagens estratégicas. Revista de Economia, v. 42, n. 2, 2016. https://doi.org/10.5380/re.v42i2.54001

Franca-Rocha, W.; Silva, A. B.; Chaves, J. M.; Nolasco, M. C.; Accioly, L. J. O.; Sá, I. B.; Pareyn, F. G. C. Levantamento da cobertura vegetal e do uso do solo no Bioma das Caatingas. In: Queiroz, L. P.; Rapini, A.; Giulietti, A. M. (Eds.). Rumo ao amplo conhecimento da biodiversidade do semi-árido brasileiro. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2006.

Guimarães, J. C. C.; Machado, F. S.; Borges, L. A. C.; Rezende, J. L. P.; Soares, A. A. V.; Santos, A. A. Aspectos legais do entorno das unidades de conservação brasileiras: área circundante e zona de amortecimento em face à Resolução CONAMA no 428/2010. Espaço & Geografia, v. 15, n. 1, p. 1-20, 2012.

IBDF - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Plano de Manejo do Parque Nacional de Sete Cidades. Brasília: IBDF, 1979. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/PARNA SETE CIDADES.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2020.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil: Cidades e Estados. 2019. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html>. Acesso em: 23 out. 2019.

Jenkins, C. N.; Joppa, L. Expansion of the global terrestrial protected area system. Biological Conservation, v. 142, p. 2166-2174, 2009. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2009.04.016

Jorge Pádua, M. T. Sistema Brasileiro de Unidades de Conservação: de onde viemos e para onde vamos? Anais do I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, Curitiba, p. 214-136, 1997.

Lacerda, A. C.; Albuquerque, J. V.; Galvíncio, J. D. Área legalmente protegida sob conflito: o caso da Reserva de Vida Silvestre Tatu-Bola, Estado de Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 4, n. 7, p. 91-202, 2017. https://doi.org/10.21438/rbgas.040719

Lacerda, A. V.; Barbosa, F. M. Análise florística de uma vegetação ciliar em área de caatinga no semi-árido paraibano. In: Paz, R. J.; Farias, T. Gestão de áreas protegidas: processos e casos particulares. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2008. p. 251-269.

Leal, I. R.; Silva, J. M. C.; Tabarelli, M.; Lacher Jr., T. E. Mudando o curso da conservação da biodiversidade na Caatinga do Nordeste do Brasil. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 139-146, 2005.

Lino, C. F.; Borges, C. R.; Dal'ava, F.; Néo, F. A.; Barbosa, F. A. R.; Sales, G.; Dutra, G. F.; Herrmann, G.; Câmara, I. G.; Jorge Pádua, M. T.; Pereira, P. G. P.; Nogueira Neto, P.; Cavalcanti, R. B.; Coutinho, S. C.; Magnusson, W.; Loureiro, W. Estratégia nacional de diversidade biológica: contribuição para a estratégia de conservação in-situ no Brasil. 1999. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/estruturas/sbf_chm_rbbio/_arquivos/Conservacao in situ.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2020.

Loucks, C.; Rickets, T. H.; Naidoo, R.; Lamoreux, J.; Hoekstra, J. Explaining the global pattern of protected area coverage: Relative importance of vertebrate biodiversity, human activities and agricultural suitability. Journal of Biogeography, v. 35, n. 8, p. 1337-1348, 2008. https://doi.org/10.1111/j.1365-2699.2008.01899.x

Lucena, R. F. P.; Silva, J. R. S.; Ferreira, E. C.; Barbosa, D. A.; Carvalho, T. K. N.; Santos, S. S.; Meira, K. R. F.; Marreiros, N. A.; Coutinho, P. C.; Bonifácio, K. M. Conhecimento e uso de plantas medicinais no Semiárido da Paraíba, Nordeste do Brasil. In: Lucena, R. F. P.; Lucena, C. M.; Carvalho, T. K. N.; Ferreira, E. C. (Orgs.). Plantas e animais medicinais da Paraíba: visões da Etnobiologia e Etnoecologia. Cabedelo: Editora do IESP, 2018. p. 51-74. Disponível em: <https://www.iesp.edu.br/sistema/uploads/arquivos/publicacoes/plantas-e-animais-medicinais-da-paraiba-visoes-da-etnobiologia-e-etnoecologia.pdf#page=53>. Acesso em: 21 jan. 2020.

Maciel, B. A. Unidades de conservação no bioma Caatinga. In: Gariglio, M. A.; Sampaio, E. V. S. B.; Cestaro, L. A.; Kageyama, P. Y. Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da Caatinga. Brasília: Serviço Florestal Brasileiro, 2010. p. 76-81.

Meadows, D. H.; Meadows, D. L.; Randers, J.; Behrens III, W. W. The limits of growth: A report for the Club of Rome's project on the predicament of mankind. New York: Universe Books, 1972. Disponível em: <http://www.donellameadows.org/wp-content/userfiles/Limits-to-Growth-digital-scan-version.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2020.

Melo, F. P.; Siqueira, J. A.; Santos, B. A.; Silva, O. A.; Ceballos, G.; Bernard, E. Football and biodiversity conservation: FIFA and Brazil canstill hit a green goal. Biotropica, v. 46, n. 3, p. 257-259, 2014. https://doi.org/10.1111/btp.12114

Mendonça, L. E. T.; Souto, C. M.; Andrelino, L. L.; Souto, W. M. S.; Vieira, W. L. S.; Alves, R. R. N. Conflitos entre pessoas e animais silvestres no Semiárido paraibano e suas implicações para conservação. Sitientibus, Série Ciências Biológicas, v. 11, n. 2, p. 185-199, 2011.

Mittermeier, R. A.; Fonseca, G. A. B.; Rylands, A. B.; Brandon, K. Uma breve história da conservação da biodiversidade no Brasil. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 14-21, 2005.

Naess, A. The shallow and the deep, long-rangeecology movement. A summary. Inquiry: An Interdisciplinary Journal of Philosophy, v. 16, n. 1/4, p. 95-100, 1973. https://doi.org/10.1080/00201747308601682

Nascimento, E. P. The trajectory of sustainability: From environmental to social, from social to economic. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 51-64, 2012. https://doi.org/10.1590/S0103-40142012000100005

Oliveira, F. C. S.; Marques, J.; Bomfim, L. Ecologia das águas e das almas de Boquira: dilemas socioambientais no sertão baiano. Revista Ecologias Humanas, v. 3, n. 3, p. 31-52, 2017.

Oliveira, J. C.; Barbosa, J. H. C. Roteiro para a criação de unidades de conservação municipais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2010.

Peccatiello, A. F. O. Políticas públicas ambientais no Brasil: da administração dos recursos naturais (1930) à criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (2000). Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 24, p. 71-82, 2011. https://doi.org/10.5380/dma.v24i0.21542

Paz R. J.; Freitas, G. L.; Souza, E. A. As áreas protegidas na legislação brasileira. In: Paz, R. J.; Farias, T. (Orgs.). Gestão de áreas protegidas: processos e casos particulares. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2008. p. 21-40.

Paz R. J.; Freitas, G. L.; Souza, E. A. Unidades de conservação no Brasil: história e legislação. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2006.

Rodrigues, A. S. L.; Akçakaya, H. R.; Andelman, S. J.; Bakarr, M. I.; Boitani, L.; Brooks, T. M.; Chanson, J. S.; Fishpool, L. D. C.; Fonseca, G. A. B.; Gaston, K. J.; Hoffmann, M.; Marquet, P. A.; Pilgrim, J. D.; Pressey, R. L.; Schipper, J.; Sechrest, W.; Stuart, S. N.; Underhill, L. G.; Waller, R. W.; Watts, M. E. J.; Yan, X. Global gap analysis: Priority regions for expanding the global protected-area network. BioScience, v. 54, n. 12, p. 1092-1097, 2004a. https://doi.org/10.1641/0006-3568(2004)054[1092:GGAPRF]2.0.CO;2

Rodrigues, A. S. L.; Andelman, S. J.; Bakarr, M. I.; Boitani, L.; Brooks, T. M.; Cowling, R. M.; Fishpool, L. D. C.; Fonseca, G. A. B.; Gaston, K. J.; Hoffmann, M.; Long, J. S.; Marquet, P. A.; Pilgrim, J. D.; Pressey, R. L.; Schipper, J.; Sechrest, W.; Stuart, S. N.; Underhill, L. G.; Waller, R. W.; Watts, M. E. J.; Yan, X. Effectiveness of the global protected area network in representing species diversity. Nature, v. 428, p. 640-643, 2004b. https://doi.org/10.1038/nature02422

Santana, M. O. (Org.). Atlas das áreas susceptíveis à desertificação do Brasil. Brasília: MMA, 2007.

Silva, A. C. C.; Prata, A. P. N.; Mello, A. A. Florísitica, fitossociologia e caracterização sucessional em um remanescente de Caatinga em Sergipe. Gaia Scientia, v. 10, n. 4, p. 1-14, 2016.

Silva, J. I. A. O. Conservação da Natureza em áreas privadas: uma análise do modelo RPPN no semi-árido paraibano. In: Paz, R. J.; Farias, T. (Orgs.). Gestão de áreas protegidas: processos e casos particulares. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2008. p. 199-234.

Silva, J. I. A. O.; Cunha, L. H. Regime jurídico das unidades de conservação: suas características jurídico-ambientais. Revista Dataveni@, v. 2, n. 1, p. 121-143, 2010. https://dois.org/10.20887/rdtv.ccj.2010.17.507

Vital, A. V. As "florestas sagradas" do impasse: a Reserva Florestal do Território Federal do Acre (1911). HALAC - Historia Ambiental, Latinoamericana y Caribeña, v. 8, n. 1, p. 42-66, 2018. https://doi.org/10.32991/2237-2717.2018v8i1.p42-66


 

ISSN 2359-1412